terça-feira, 1 de agosto de 2023

Maranhão: Mulher que foi flagrada asfixiando própria mãe no leito de hospital vai a júri popular

Mulher que foi flagrada asfixiando própria mãe no leito de hospital vai a júri popular (Foto: Reprodução)

Uma mulher que foi flagrada tentando asfixiar a própia mãe, em um dos leitos no Hospital Carlos Macieira, em São Luís, no mês de fevereiro de 2020, foi pronunciada a júri popular.

Luciana Paula Figueiredo, de 35 anos, será julgada no Salão do Júri do Fórum Des. Sarney Costa, em São Luís, no dia 31 de outubro de 2023, conforme decisão do juiz Gilberto de Moura Lima.

Acompanhantes de outros pacientes gravaram o momento em que a acusada tampava com a mão o nariz e a boca da vítima, identificada como Ana Benedita Figueiredo, de 68 anos, que não conseguia reagir por ter, também, um lençol a asfixiando.

A idosa estava internada com um severo quadro de embolia pulmonar, e precisou retonar para a UTI após sofrer a tentativa de homicídio. No entanto, dois meses depois, não resistiu e foi a óbito.

A filha Luciana, na época, foi presa por homicídio triplamente qualificado, mas negou o crime, e relatou em depoimento que tomava medicação para tratar transtornos mentais. Ela alegou que teria preparado uma dosagem de Rivotril para tomar, porém, deu por engano à mãe.

Após perceber o ato, Luciana afirmou que apenas tentou verificar se a mãe estava respirando, por isso foi flagrada com a mão no nariz e boca da idosa.

A Polícia Civil informou que as primeiras investigações apontam que Luciana teria tentado matar a mãe, supostamente, por estar cansada de cuidar da idosa, que precisa de atenção redobrada devido aos graves problemas de saúde.

A tese da defesa sustenta quadro de transtornos mentais da acusada, mas a Justiça concluiu que, mesmo com os problemas, Luciana é de fato responsável pelos fatos, e terá que sentar no banco dos réus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Defesa Civil do MA registra 19 cidades em situação de emergência por causa das chuvas

No estado como um todo, há o registro de 810 famílias alojadas em abrigos, enquanto outras 2.297 foram desalojadas de suas residências. Foto...