sexta-feira, 8 de maio de 2020

Marinha anuncia retirada de 40 mil toneladas de minério do Stellar Banner, encalhado na costa do MA

Volume representa cerca de 13% do minério de ferro no navio, que está encalhado há mais de dois meses na costa do estado.

Navio Stellar Banner está encalhado há mais de dois meses na costa do Maranhão — Foto: Divulgação/Marinha do Brasil

A Marinha do Brasil informou nesta sexta (8) que já foram retiradas cerca de 40 mil toneladas de minério de ferro do Navio Mercante Stellar Banner, de propriedade da empresa Polaris, que está encalhado há mais de dois meses na costa do Maranhão.

O volume retirado equivale a cerca de 13% da quantidade de minério que ainda está no navio. Ainda está prevista a remoção de outras cem mil toneladas de minério de ferro para dar início a fase de reflutuação da embarcação, quando poderá ser possível desencalhar o navio e levar para um porto.

Segundo a Marinha, os Batelões Leeuw e Jan Blanken estão operando em revezamento para retirar e descartar o material de forma segura.

Operação


Desde o início do resgate do Stellar Banner, cerca de 255 militares da Marinha atuam diretamente na operação. O órgão trabalha no local com um navio de apoio oceânico ‘Iguatemi’, um navio hidroceanográfico ‘Garnier Sampaio’, um helicóptero UH-15 e quatro embarcações da Capitania dos Portos do Maranhão.

A operação também conta um helicóptero He S-76 operado pela Vale, um navio MPOV Normand Installer, nove rebocadores (sendo quatro com materiais de combate à poluição por óleo), três drones com câmera térmica, quatro embarcações de suporte às atividades de contingência de derramamento de óleo (OSRV), quatro de apoio à plataforma (PSV) e dois oleeiros (OSV).

O navio com bandeira dos Países Baixos 'Defender' foi contratado para retirar toneladas de óleo do Stellar Banner. A operação realizada no dia 12 deste mês e retirou 3,9 mil metros cúbicos de óleo da embarcação sul-coreana.

Barco ALP Defender inicia retirada de óleo do navio Stellar Banner, encalhado na costa do Maranhão — Foto: Capitania dos Portos

Área afetada

A área afetada no casco do navio é de cerca de 25 metros, segundo o chefe de Estado-Maior do Comando do 4º Distrito Naval, Robson Neves Fernandes. Atualmente, não há registro de vazamentos.

No dia 28 de fevereiro, o Ibama havia verificado o vazamento de 333 litros de óleo no mar e o poluente havia se espalhado por uma área de 0,79 km². Um dia depois, o instituto afirmou que não visualizou mais as manchas de óleo encontradas anteriormente.

Inquérito

A Superintendência da Polícia Federal (PF) no Maranhão informou que abriu um inquérito para apurar possível crime ambiental no acidente do Stellar Banner. Antes, a Marinha já tinha informado que instaurou um inquérito administrativo para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades sobre o caso.


Acidente com o Stellar Banner

O navio Stellar Banner sofreu duas fissuras no casco no dia 25 de fevereiro, logo após ter saído do Terminal Portuário da Ponta da Madeira em São Luís, com destino a um comprador em Quingdo, na China. A embarcação possui capacidade para 300 mil toneladas de minério de ferro e tem 340 metros de comprimento, o equivalente a dois campos de futebol.

Segundo a Capitania dos Portos do Maranhão, logo após identificar as fissuras no casco, o navio começou a afundar no Oceano Atlântico, a cerca de 100 km da costa do litoral do Maranhão. Por conta da situação de emergência, o comandante do navio emitiu um alerta e levou o Stellar Banner para um banco de areia.

O navio tinha 20 tripulantes, sendo 12 coreanos e oito filipinos. Após o resgate, seis estão ajudando na operação de salvatagem e seguindo as instruções da Capitania dos Portos. A Polaris informou que os outros 14 tripulantes da embarcação já estão em terra firme e devem ser repatriados.


Por G1 MA 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

Postagem em destaque

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 19 em Godofredo Viana;cresce também o número de recuperados

O Seu Zé de 71 anos de idade, deixou nesta semana o Centro de Saúde Aprígio Silva, ele é mais um paciente a se recuperar da doença. O ...