quinta-feira, 7 de maio de 2020

Mais de 90 vacinas contra o coronavírus estão em desenvolvimento neste momento no mundo

Até agora a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford é a que deve entrar no mercado mais cedo, a previsão é para setembro de 2020


At vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford é a que deve entrar no mercado mais cedo, a previsão é para setembro de 2020
Em todo o mundo laboratórios não medem esforços para tentar encontrar uma solução para conter o novo coronavírus. A notícia boa no meio do caos causado pela pandemia é que mais de 90 vacinas diferentes para Covid-19 estão em desenvolvimento em laboratórios em todo o mundo e pelo menos seis foram submetidas a testes em humanos. 


Quanto mais vacinas forem testadas, maiores serão as chances de que uma ou mais, funcione. Nesse ponto, as vacinas provavelmente seriam dadas primeiro a pessoas especialmente vulneráveis ​​a ficar gravemente doentes com a infecção, incluindo idosos e pessoas que entram no grupo de risco.



Universidade de Oxford e os avanços nas pesquisas

Enquanto cientistas de todo o mundo correm para desenvolver uma vacina para o coronavírus, pesquisadores da Universidade de Oxford agora assumiram a liderança. A equipe começou recentemente a testar a vacina em pessoas que, se eficazes, poderiam se tornar disponíveis a partir de setembro, informou o New York Times em 27 de abril. Isso seria muito antes de qualquer outro esforço de vacina atualmente em andamento chegar ao fim linha.

Os pesquisadores conseguiram avançar rapidamente porque já haviam desenvolvido uma vacina candidata à Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), uma doença respiratória virulenta causada por outro membro da família do coronavírus. No ano passado, eles mostraram que a vacina era segura nas pessoas e tem uma resposta imune que dura pelo menos um ano. Em janeiro, o grupo começou a adaptar a técnica para criar uma vacina para o SARS-CoV-2, o vírus responsável pelo Covid-19.

Até o final de maio, os cientistas iniciarão um estudo maior com 5.000 voluntários e os seguirão ao longo do tempo para verificar se a vacina realmente impede as pessoas de pegar a infecção. Quanto tempo leva para mostrar que a vacina é eficaz dependerá do desempenho da pandemia. Se o surto no Reino Unido for controlado e menos pessoas forem infectadas durante o verão, será mais difícil dizer quanta proteção a vacina oferece.

Estados Unidos e corrida para encontrar a cura

Em 16 de março, o dia em que o primeiro participante foi inscrito no estudo para testar a vacina Moderna, o NIH afirmou em um comunicado: “Um estudo clínico de fase 1 avaliando uma vacina experimental projetada para proteger contra a doença de coronavírus começou no Kaiser Permanente Washington Health Research Institute (KPWHRI) em Seattle. O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), parte dos Institutos Nacionais de Saúde, está financiando o estudo, que incluirá 45 voluntários adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos, durante aproximadamente 6 semanas. O primeiro participante recebeu a vacina experimental essa semana.” O estudo está analisando a segurança da vacina e sua eficiência na geração de uma resposta imune.

Hong Kong segue na fase de testes

Outra vacina candidata está sendo testada pela empresa de biotecnologia listada em Hong Kong, CanSino Biologics. Tendo iniciado após os ensaios do NIH, a empresa anunciou que os ensaios da fase I foram cancelados e a vacina está entrando na fase II do estudo “com base nos dados preliminares de segurança do ensaio clínico da Fase I”. Os resultados da primeira fase não foram divulgados.

De acordo com um relatório atual arquivado pela Moderna com a US Securities and Exchange Commission, uma “… vacina comercialmente disponível provavelmente não estará no mercado por pelo menos 12 a 18 meses, é possível que, em uso emergencial, uma vacina esteja disponível para algumas pessoas, possivelmente incluindo profissionais de saúde, no outono de 2020. ”

Como funcionam as vacinas?

Estes são produtos biológicos que, quando introduzidos no corpo, ensinam o sistema imunológico a identificar um patógeno causador de doença e a armazenar na memória quais opções de reação são as mais eficazes. Algumas vacinas são patógenos vivos, cuja capacidade de causar danos foi silenciada, mas cujas características essenciais de identificação foram mantidas para que o corpo possa aprender a reconhecê-lo.

Por exemplo, a vacina contra a febre amarela é um vírus vivo e enfraquecido da febre amarela; a vacina BCG também é uma cepa viva atenuada derivada de um isolado de Mycobacterium bovis amplamente utilizado como vacina para tuberculose. A vacina contra a poliomielite tem o vírus morto. Outras vacinas ainda ensinam o corpo a identificar as toxinas liberadas pelo patógeno e agir.

Por: Lisiane Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

Postagem em destaque

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 19 em Godofredo Viana;cresce também o número de recuperados

O Seu Zé de 71 anos de idade, deixou nesta semana o Centro de Saúde Aprígio Silva, ele é mais um paciente a se recuperar da doença. O ...